skip to Main Content

INSCRIÇÕES ABERTAS

A Dança é uma arte ancestral e de expressão da humanidade desde os seus primórdios. Quando dançamos, não estamos apenas a fazer algo físico, mas a mover toda a história e emoções guardadas nas nossas células. Estamos a deixar todo esse conteúdo vir à superfície através dos movimentos do corpo.
O universo é movimento; é a dança que está em tudo, nos átomos que compõem o mundo material, no dia e na noite, nas estações do ano, nas células do nosso corpo e nas tuas transformações. Nós nascemos em movimento, as nossas células multiplicaram-se em sistemas construindo ossos, cérebro, sangue e compondo a coluna, os braços e todo o corpo. E quando finalmente aprendemos a equilibrar-nos em dois pés, aprendemos que existe uma forma certa e errada de nos movermos, aprendemos a encaixar-nos nas regras, a esmagar o nosso lado selvagem e a convencermo-nos que nos sentimos bem assim. Nós paramos de ouvir o nosso interior e afastamo-nos dos sensos que nos sacodem e nos fazem sentir despertos e vivos. Esquecemo-nos que cada vez que respiramos, inalamos parte do outro e exalamos parte de nós mesmos. Todos nós partilhamos o mesmo pulso. Nós temos uma linha direta de comunicação com o ritmo que faz o nosso coração bater. Parte de nós sempre soube como dançar. E a Dança Meditativa e Espontânea vem para nos lembrar de resgatar a nossa própria dança e inspiração.
A Dança Meditativa e Espontânea tem as suas raízes na mitologia indiana em que a dança é sagrada. Quando um Deus dança, tudo o que existe entra num processo contínuo de transformação. Nessa tradição, o humano é considerado divino na sua essência e a dança proporciona a possibilidade de aceder ao potencial espiritual do corpo. Além da cultura indiana, a Dança Meditativa e Espontânea tem influências do tantra, vedanta, xamanismo, budismo tibetano, danças culturais e movimento espontâneo, unindo assim toda a sabedoria ancestral à experiência contemporânea.
É então, dessa forma, que a Dança e a Meditação se entrelaçam, dando origem à Dança Meditativa e Espontânea. A meditação traz a consciência, a concentração e a consciência de União de mim comigo mesma e de mim com o Todo. A Dança oferece liberdade para a Meditação. A Música traz a energia sustentadora, a ação sinérgica e a conexão com sentimentos e emoções misturados no prana (energia vital que permeia o universo). Quando dançamos com essa consciência, de nos movermos de momento a momento com presença, a Dança torna-se uma forma dinâmica de meditação, como uma meditação em movimento que cura, liberta-nos e abre espaço para toda a energia criativa que se quer mover através de nós.

Através da prática da Dança Meditativa Espontânea, os alunos são capazes de:
·Redefinir o seu olhar
·Ampliar conceitos acerca da Meditação e da Dança
·Viver o Yoga ao invés de o praticar no tapete
·Tomar posse do seu poder pessoal e brilho interno
·Cultivar mais entusiasmo, de estar mais vivo, feliz e confiante no seu corpo
·Ter um aumento na energia, na flexibilidade, no tônus muscular e na saúde cardiovascular
·Relaxar e rejuvenescer
·Experienciar imersão no momento presente
·Explorar sua autenticidade, criatividade e essência.
·Despertar para a alegria de viver que é o potencial inerente a todos nós.
·Libertar-se de qualquer julgamento e permitir o dançar livre, no ritmo do coração e de dentro para fora.
·Expandir o prana (energia vital) e explorar as infinitas possibilidades de cada momento e movimento
·Atingir equilíbrio e conexão em todos os aspetos; físico, energético, emocional, mental.

Portanto, as Vivências de Dança Meditativa e Espontânea não são somente “aulas” mas sim uma jornada de auto expressão, Auto libertação, autoconhecimento e auto exploração, onde têm a oportunidade de criar os próprios movimentos e deixar-vos levar pelo fluir de cada momento, de forma natural, enquanto nos curamos e nos divertimos. Desta forma, a prática transforma-se numa meditação em movimento onde o corpo se torna uma expressão da alma, uma dança livre, sem coreografia, que facilita a expressão a partir de movimentos corporais, de sentimentos não verbalizados.
Os benefícios da prática da Dança Meditativa e Espontânea na terceira idade são equivalentes a uma atividade física leve moderada ao mesmo tempo que ativa o estado meditativo na prática do contato com a espontaneidade, promovendo a socialização e a oportunidade de perceber a anatomia do seu corpo e do espaço ao redor, numa rede de possíveis interações e sensações. Além de perceber as qualidades de dançar, contemplar a dança no espaço por outros corpos. Traz benefícios para a memória enquanto a meditação atua na concentração e, consequentemente, na memória e no estímulo da criatividade em vários âmbitos, também, na superação de movimentos e resgate pessoal.
A felicidade de redescobrir dentro de si, espaço com presença plena para novas possibilidades de manifestação da vida.
A Dança Meditativa e Espontânea confirma o expressivo princípio de que o menos é mais. Quanto mais simples, mais profundo. Os movimentos dão-se de uma maneira simples e lenta, sem exagero na interpretação. Cada movimento é seguido com concentração, com a oportunidade de meditar sobre a própria presença. No nível fisiológico, pesquisas em neurofisiologia revelaram que existe um processo de feedback de informações entre os nossos sentidos, os músculos e o cérebro. Um excesso de esforço muscular sobrecarrega a capacidade do cérebro de fazer distinções sensoriais e restringe a capacidade da mente de trabalhar em benefício do corpo. Um menor esforço muscular produz  uma maior aprendizagem motora. A repetição e a simplicidade ativam centros de movimento do cérebro e geram um fluxo de valiosas informações entre a mente e os músculos do corpo. Essa abordagem é encontrada  no yoga e em diferentes práticas meditativas. Automaticamente, como se por obra  de magia, a tensão, a pressão, a fadiga e o desconforto desaparecerão à medida que o seu  sistema neuromuscular for se reprogramando para mais saúde e uma melhor qualidade de vida.

Texto de Cynthia Panca

Relacionado com que edição da F.A.
Relacionado com que área
Back To Top